Neste vídeos, os autores colocam diferentes tipos de “detergentes líquidos” na boca para depois cuspir a substância tóxica multicoloridas em frente das câmeras.

 

Em resposta, o Google afirmou que “as Diretrizes da Comunidade do YouTube proíbem o conteúdo que visa incentivar atividades perigosas que tenham um risco inerente de danos físicos”.

“Trabalhamos para remover rapidamente vídeos sinalizados que violam nossas políticas”, ressaltou a companhia.

Brasil

No Brasil, infelizmente, as ações de “limpeza” não ocorrem na mesma velocidade.

Um vídeo de Abril de 2017, no qual o autor arranca um dente usando um alicate, ainda está disponível para visualização na plataforma.

Outro vídeo, de fevereiro de 2017, cujo o YouTuber supostamente “se envia dentro de uma caixa nos Correios”, também pode ser visto sem nenhum alerta para os espectadores – principalmente crianças.

O segundo exemplo, diferente do que ocorre com o anterior, ainda é monetizado pelo YouTube.