O Facebook lançou na última segunda-feira, 11, em São Paulo, um centro de inovação e capacitação tecnológica para jovens. O espaço, chamado Estação Hack, é o primeiro inaugurado pela empresa em todo o mundo. O objetivo é incentivar a inovação e acelerar o crescimento de startups. Os nomes das 10 primeiras empresas em fase inicial que participarão do projeto já foram divulgados.

No espaço, o Facebook também oferecerá bolsas para cursos de programação, desenvolvimento de aplicativos e empreendedorismo digital, a fim de preparar os jovens brasileiros para o que a empresa chama de profissões do futuro. “O Brasil é um país muito importante para o Facebook. Com a Estação Hack, reforçamos ainda mais nosso compromisso com o desenvolvimento do Brasil, ajudando a formar jovens talentos na área de tecnologia, apoiando o empreendedorismo e estimulando a inovação”, afirma Diego Dzodan, vice-presidente do Facebook e Instagram para América Latina.

A iniciativa de oferecer capacitação digital segue a tendência do mercado brasileiro, que tem dado preferência a profissionais com esse tipo de conhecimento. Segundo pesquisa feita pela Morning Consult, encomendada pelo Facebook, 82% das micro e pequenas empresas no Brasil valorizam mais as habilidades digitais do que a escola onde alguém estudou na hora de contratar.

Em novembro, o Facebook abriu inscrições para as primeiras turmas dos cursos oferecidos na Estação Hack. Ao todo, foram preenchidas 4,2 mil vagas nos cursos de programação e desenvolvimento de aplicativos, inovação e preparação para o mercado de trabalho. As aulas começaram na última terça-feira, 12. Por enquanto, não há inscrições abertas para futuros interessados, mas, segundo o Facebook, a cada ano serão oferecidas 7,4 mil bolsas a jovens brasileiros.

Além dos cursos, a Estação Hack servirá de abrigo para 10 startups selecionadas para a primeira fase de aceleração, que vai de janeiro a junho de 2018. As empresas escolhidas são voltadas à empregabilidade de jovens e adultos de baixa renda, educação, segurança de dados, engajamento cívico, serviços financeiros para inclusão ou educação financeira e micro empreendedorismo.